Link Patrocinado

BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Integrando aos mercenários

Opa, primeiro post meu em um blog! U la lá...Agora dá pra colocar as fotos dos meus miguxos!!( Emo Mode)....E contar fofocas alheias!! Minina!! Ok Ok (Nelson Rubens Mode)...brincadera..Legal a iniciativa de criação do blog, só estou com medo pelo alto nível de insanidade reunida aqui, ahuahaa mas com o tempo passa auauaha....Ao som de Pink Floyd, me veio a idéia de falar alguma coisa sobre a música...
Título Where´s the Feeling of Music?
Que eu percebo muito por aí, os olhos de algumas pessoas (meu espaço de análise é bem restrito) à música estão meio estranhos, meio que olhando não a música como arte mas como fosse um produto que consomem pois está na moda. Assim, como existem as roupas da moda, as pulseiras da moda, penteado da moda, parece que está a música inserida nesse contexto. Escutar música, que está nas paradas de sucesso, a música de que todos gostam virou a moda da vez, como buscassem uma afirmação que algo é bom, lá de fora. Achei legal quando vi um documentário sobre o metal: Metal, A Headbanger´s Journey. Documentário feito por Samm Dunn. Ele foi um antropólogo que resolveu estudar esse estilo mais a fundo, disse em algum momento no filme: “Desde que tive 12 anos, tive que defender meu amor pelo Heavy Metal contra quem o classificasse de forma de música barata. Minha resposta agora é que ou o sente, ou não. Se o Metal não te provoca essa envolvente sensação de poder, e não faz com que se arrepiem os pelos da nuca, talvez nunca o compreenda. Achei demais a parte : "Se o Metal não te provoca essa envolvente sensação de poder" Achei muito true isso, são pessoas que não olharam para fora, e resolveram olhar para essa sensação de poder. Pessoas que apenas aceitaram essa simplicidade. Também, observo algo o que afasta essas pessoas dessa simplicidade também, são pessoas que possuem muita rigidez musical, também tive muito desse mal antes...Valorizava muita a técnica de um músico e banda, e começava olhar feio para outras coisas fora desse padrão...E algumas delas, não senti a tão sensação de poder do Samm Dunnn. Rigidez musical ou também rigidez de valores: “ não vou escutar essa banda de punk rock, pois sou um “true” fã de rock progressivo”, “essa banda não vou escutar pois eles não representam nada, não tem um valor no estilo que eles tocam”, “ essa banda vou escutar pois eles representam muito no estilo, foram os primeiros a criarem isso ou aquilo”,” sou fã verdadeiro dessa banda e devo aguentar todas musicas deles ”,” essa banda tá tocando nas rádios e não vou escutá-la” e por aí vai...Valores que distanciam da tão sensação de poder do Samm Dunn, sendo valores que eu acho mais ou menos igual da pessoa que escuta só porque a rádio, mtv, sei lá o que, fala que é bom....Sendo a única diferença que esses valores você mesmo que criou e aceitou, e os outros (radio, moda,etc) você não criou mas sugou de fora e aceitou, mas não importa de onde veio, aceitou e não viu se tinha “a sensação de poder” ....E acredito que essa sensação de poder é que eu chamo de arte, pra mim sendo a arte um conceito totalmente relativo, algo vira-se arte pra você quando você tem essa "sensação de poder" ...

5 comentários:

Tyll disse...

Esqueci de escrever um dos valores: " Se Tah traindo o movimento punk véio!!!"
ahuauauahu

Leonardo AC disse...

Belo texto! É a diferença entre ouvir e apreciar uma boa música e entre ter a cabeça aberta e capacidade de discernimento sem ser um mero consumidor.

I am a consumer whore... and how!

Sir Psycho disse...

Muito bom o texto! Sim, uma ótima adição ao nosso grupo de mercenários! É importante que paremos de ouvir as coisas pelo que elas representam e passemos a ouvi-las pelo que são! E, de preferência, sem preconceitos contra os diferentes tipos de música!
Agora sim estamos fazendo um blog decente! Viva!

Tyll disse...

OPa valew pelo elogios!!!Fiquei emocionado (Emo Mode)...continuarei a pensar e escrever

Tom disse...

eu também tive essa época, qdo comecei a escutar rock progressivo de achar bobagens como que o punk é musica inferior.

Acho q o unico intuito de escutar musica é se divertir, se Madonna te diverte, escute, se Bach te diverte, escute.

Claro que a pessoa tem que ter coragem suficiente para dizer que uma musica que ta na moda nao é boa. Isso vai da personalidade de cada um, mas de outro lado para que a gente nao esteja fora da sociedade as vezes é necessario escutar essas musicas podres sem ficar falando para todo mundo 'nossa como vc escuta isso?' pq isso enche o saco dos outros.